Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


"A lei sem o Espírito mata".

Dentre os diversos serviços que podemos prestar à Igreja com o nosso Ministério de Música, está um que precisamos ter especial cuidado, porque lida quase que pessoalmente com os filhos amados do Pai.
   
Sabemos que os grupos de oração são os locais por eleição onde Deus tem a grande oportunidade de visitar o coração de cada pessoa e ali operar as curas, libertações e milagres. Até aí não há novidade nenhuma, mais a maioria das pessoas vem ao grupo de oração e trazem consigo as sua frustrações, seus problemas familiares, financeiros, afetivos e tudo mais que aflige o homem. Como Deus pode operar e um coração que está cheio de tanta tralha? Como este filho tão amado do Pai vai perceber ou mesmo se abrir à ação do Espírito se pesa sobre si tantos fardos?
   
É exatamente neste momento que a música ungida, ministrada com o poder de Deus, vai ser o canal de acesso que levará ou favorecerá a ação salvífica do Rei dos reis. Nós temos esse grande papel. Temos o direito e o dever de levarmos os filhos de Deus a saírem de seus problemas, limitações ou dificuldades e voltarem-se com confiança e abertura para a ação do Santo Espírito.
   
O Ministério de Música deve ser aberto às moções de Deus, ao desejo do coração do Senhor e isso só poderá ocorrer se os seus membros forem pessoas de vida de oração, habituadas a escutar a voz do Senhor e dóceis a cumprir a sua vontade. Se não for assim, correremos o risco de fazermos a nossa vontade e tentarmos levar o grupo de oração com expressões e técnicas aprendidas em congresso ou copiadas de outros ministros de música.

Além deste aspecto que merece a nossa reflexão e especial atenção, nos deparamos também com o aspecto da autoridade e submissão ao coordenador do grupo de oração. O Ministério de Música deve ter a liberdade, para segundo a unção do Espírito, preparar o povo para a noite de oração, porém nunca devemos esquecer que há um dirigente ou coordenador da noite de oração e que cabe a ele discernir os caminhos pelos quais Deus que fazer aquele povo trilhar. Somos ministros de música e não coordenadores de grupo de oração. Cabe a nós a preparação inicial e a cooperação com a condução da oração, seguindo o Rhema dado pelo Senhor e nos alegrando com a obra do Espírito nos irmãos e em nós, porque afinal de contas também somos filhos.

Nos diversos cursos para ministério de música que nós, da Comunidade Recado, pregamos nos mais diferentes lugares do Brasil, temos, com uma certa constância, nos deparado com problemas entre o coordenador dos grupos de oração e o ministério de música. Não é raro encontrarmos ministros de música que apenas cumprem um ritual de abrir a noite de oração com música já selecionada e sem a menor liberdade do Espírito ou então, ministros de música que roubam a cena, fazem o papel do coordenador da noite de oração e não se submetem as autoridades constituídas naquele momento.

Nos dois casos, ao nosso modo de ver, há erros. A música no grupo de oração não é apenas um tapa buraco, um aviso prévio de que dentro de poucos instantes o Espírito Santo irá agir com todo o poder. Não! Definitivamente não! A partir do momento que nós, do Ministério de Música, começamos a ministrar a música com a unção de Deus, porque fomos escolhidos por Ele, porque somos chamados a exercer esse serviço com autoridade de Cristo Ressuscitado cheio de alegria e inabalável confiança, a partir desse momento a graça de Deus já esta acontecendo.

Da mesma forma que temos nosso momento de estarmos na frente, precisamos aprender que também temos os nossos momentos de recuarmos e seguirmos as orientações que Deus esta dando através da unção do coordenador ou do dirigente do grupo de oração e neste momento nosso serviço não perde a importância, apenas muda de posição. Passamos a cooperar com Deus seguindo o Rhema da oração, cooperando e favorecendo com todo o clima da reunião, com música que falem do mesmo tema e que coloque em evidência o assunto abordado.

Pra desempenharmos bem o nosso papel, precisamos ter um vasto repertório ensaiado, com músicas que falem de Maria, Espírito Santo, Salvação, Reconciliação, Amor de Deus, Louvor, Amor a Deus, etc. Não gosto de ter músicas já pré-estabelecidas e cronologicamente organizadas. Acho que isso pode ser feito para nos auxiliar a discernir o momento de usá-las e não tirar nossa liberdade espiritual de sermos guiados pelo sopro do Espírito, que não deixa aprisionar e sopra onde quer e como quer.

Não acho que seja obrigatório usar cinco ou seis músicas a cada início do grupo. Quantas vezes já vi a manifestação do poder de Deus na primeira música do grupo e a condução de toda noite de oração ser feita somente com aquele mesmo Rhema. Às vezes nós mesmos criamos certas normas para nos prender à lei e nos esquecemos de que a lei sem o Espírito mata.
   
Outro ponto que é de grande importância da condução da música em grupo de oração é o correto uso do livro de cântico. Veja, o livro de cântico está ali para nos auxiliar e não para roubar a atenção das pessoas. Usamos o livro para facilitar o aprendizado dos cânticos novos e mesmo assim, depois de cantá–los algumas vezes, é necessário fazermos o povo mergulhar na letra daquele canto e rezar com ele e não apenas repetir palavras com uma certa melodia. Já vi vários irmãos que usam o livro de cânticos como se estivessem em um ensaio de músicas novas no dia da reunião do ministério e não se trata disso.

Precisamos levar nossos irmãos à oração, ao contato íntimo e verdadeiro com Deus através dos cânticos, sejam eles novos ou velhos. Por isso se faz necessário, em um determinado momento da oração, deixarmos o livro de cânticos de lado e levarmos o povo a cantar com os olhos fechados, com extrema piedade e assim provarem da abertura dos olhos da alma que certamente levam a uma experiência com o magnífico poder e amor de Deus.

Teríamos ainda muitas coisas para comentar sobre este assunto. Quem dera pudéssemos um dia nos encontrar em algum retiro de Ministério de Música e partilharmos nossa experiência nestes 22 anos da Comunidade Recado. Deixemos que a providencia de Deus nos surpreenda com este dia.

Que a alegria do Cristo Ressuscitado esteja em seu coração e transborde em cada momento de sua vida.

 

Luiz Carvalho - luizcarvalho@recado.org.br
Fundador da Comunidade Recado - www.recado.org.br
  
  
 

Ver outros artigos de Luiz Carvalho

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.